Ano de 2018 Cheio de esperança!

06/01/2018 14:18

A chegada do novo ano, não é apenas um fato cronológico, a verdade é que desde a pré-história quando o tempo começou a ser dividido pela sucessão dos dias e das noites o homem tem usufruído dos benefícios de contemplar melhor o tempo mas também tem sido treinado a viver o processo de espera que ele proporciona.

Uma criança que está sendo gerada, por exemplo, por mais desejada que seja, precisa esperar o tempo certo para nascer. Antes de atravessar a rua, é preciso esperar o sinal ficar verde e assim a vida segue afirmando com fatos que “há um tempo para cada coisa debaixo do Céu” (Ecle 3) e saber esperar é sinal de sabedoria. Porém, a verdade é que temos tido pressa demais e paciência de menos para cultivar o que queremos colher. Ou seja, está faltando o cultivo da esperança, uma das principais virtudes que equilibra a vida humana.

 

Quando olhamos para a história, vemos que as grandes conquistas mundiais passaram por pessoas que souberam cultivar a esperança é o caso de São João Paulo II, que lutou por justiça amor e paz, atravessando barreiras que ninguém além dele mesmo, acreditava ser possível transpor. E porque teve esperança, venceu. Hoje seu exemplo até mais do que suas palavras continuam a nos dizer: nunca perca a esperança! Até porque quando por inúmeras razões alguém desiste de esperar é como se de certa forma, desistisse também de viver.

A questão é que mesmo sem perceber, muitas coisas têm minado a nossa capacidade de esperar. Uma delas é a crescente difusão da tecnológica que apesar de também nos trazer benefícios, tem influenciado em nosso comportamento. Tornando-nos imediatistas, impacientes e até mesmo desesperados. Somos pressionados a sabermos de tudo ao mesmo tempo para não sermos excluído do meio e isso nos coloca em uma tensão constante onde falta tempo para descansar, ficar em silêncio e principalmente nos relacionarmos em profundidade com quem está ao nosso lado e conosco mesmo. O que, aliás, considero fundamental para cultivar a esperança.

Pe Adriano Zandoná, sacerdote e missionário da Comunidade Canção Nova, aponta três passos à serem dados por quem deseja cultivar a esperança:

  1. Alimentar a esperança através da oração;

  2. Aprender a comunicar a esperança (se comunico coisas boas elas tendem a acontecer, mas se comunico desespero isso também influencia minha vida);

  3. Nutrir-se de esperança lendo literatura saudável principalmente a Sagrada Escritura que é fonte inesgotável de esperança.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Destaco ainda ter uma atitude de confiança e amor a vida. Pois muitas vezes, não conseguimos mudar a situação em que estamos envolvidos, mas quando fazemos opção pela confiança em vez do desespero, mudamos totalmente a maneira como lidamos com ela e o mundo carece de atitudes assim. Portanto, aproveite o início de ano e faça a experiência de acreditar mais no amor de Deus por você. Semeie alegria e esperança por onde você passar em vez de pressa e lamento. E creia, isso dará um novo sentido à sua vida e muito mais esperança ao mundo que lhe cerca.

Feliz Ano Novo!

Dijanira Silva – Missionária da Comunidade Canção Nova